Brasil atribui à crise queda na compra do gás boliviano


La Paz, 10 dez (EFE).- O embaixador do Brasil em La Paz, Frederico Cézar de Araújo, atribuiu nesta quinta-feira à crise econômica mundial as oscilações na compra que seu país faz do gás natural boliviano.

Em declarações à imprensa, Araújo admitiu que a crise internacional iniciada em outubro de 2008 afetou o Brasil, que teve que rever o volume de gás natural comprado.

No entanto, o embaixador afirmou que esta quantidade voltará a subir, uma vez que o Brasil está se recuperando da crise. Porém, lembrou o funcionário, o volume não passará de 31 milhões de metros cúbicos diários, que é o máximo estipulado no contrato de compra e venda entre ambos os países.

A última queda nas exportações do gás boliviano ao Brasil aconteceu este mês. Em 1º de dezembro, 25,7 milhões de metros cúbicos diários chegavam ao território brasileiro. No começo desta semana, a quantidade caiu para 20,13 milhões.

A demanda do Brasil pelo gás boliviano registrou várias oscilações este ano, o que levou o presidente da Bolívia, Evo Morales, a cogitar a possibilidade de modificar o contrato entre os dois países para destinar a outros mercados o excedente não consumido.

Em resposta, o Executivo brasileiro reiterou que respeitará os volumes de compra do gás natural boliviano estabelecidos no contrato e garantiu que a demanda pelo insumo não será afetada pelas descobertas de novas jazidas de petróleo no Brasil.

Cadastre seu e-mail e fique por dentro das nossas novidades!
Nome:
E-mail:
E-mail:
Senha:
2018 - Central de Inspeções Veiculares - Todos os direitos reservados - Criação de Sites - RS